A liberdade é azul, a igualdade é rosa

Tenho refletido muito sobre igualdade de gêneros. Eu nunca tinha pensando muito no assunto, até virar mãe de menino e de menina. Agora, sei que tenho a missão de criar dois filhos de gêneros diferentes da mesma maneira. E não dar privilégios ou passar a mão na cabeça por causa do sexo de cada um.

 

Comecei a ler e pesquisar sobre o assunto em busca de informações. Confesso que ainda estou cheia de dúvidas na minha cabeça.  Tenho condicionamentos e couraças acumulados durante toda a minha vida.

 

São aqueles velhos conceitos que te passam ainda criança: menina brinca de boneca. Menino brinca de carrinho. Azul é de menino. Rosa é de menina. Menina não pode. Menino pode. Conceitos que chegam à vida adulta cheios de novas mensagens subliminares, mas que, na essência, se resumem à “mulher nasceu para cuidar, homem para explorar o mundo”.

 

Eu cresci num lar bem machista. Minha mãe era semianalfabeta. Não completou nem o primário. Virou dona de casa por falta de escolha.

 

Ela aprendeu cedo que sua função era servir o pai e os irmãos. E depois, o marido.

 

Meu pai queria um filho “homem”. Nasceu uma menina: a minha irmã. Seis anos depois, minha mãe engravidou outra vez. E meu pai torceu: “ah, agora é um menino.” Mas eis que veio ao mundo essa que vos fala.

 

Passei parte da infância usando cabelos curtos e roupas de menino para agradar ao meu pai. Queria provar que podia ser tão boa quanto um garoto.  Ficava louca pra brincar na rua de pipa, pega- pega e esconde-esconde. Mas nessas horas, meu pai lembrava que tinha filha menina e me proibia de brincar com os meninos. Nunca me esqueço do olhar dele de reprovação quando me pegava correndo no meio da rua com a molecada.

 

Hoje, tenho meu próprio olhar sobre tudo isso. Depois de viver o machismo na pele desde a infância, me tornei mãe de menino e de menina. E quero fazer diferente. Por isso, aqui em casa instituí o reino da igualdade. Não tem brinquedo de cada um. Tá tudo liberado: carrinhos e bonecas para os dois.

 

O Rafael, meu filho de quatro anos, adora cor de rosa. Eu e o pai dele achamos que rosa é só uma cor entre tantas que colorem o nosso mundo, certo? Então, quando o Rafa foi a uma loja comigo e pediu um bichinho de pelúcia rosa, comprei na hora. Quando alguém na escola diz a ele que rosa é de menina, eu aconselho meu filho a continuar gostando da cor que quiser.  E não dar ouvido para os outros.

 

Dia desses, meu marido descobriu que o rosa só começou a ser adotado como símbolo feminino na cultura ocidental muito recentemente - segue aqui o texto.  No Japão, é muito comum tanto homens como mulheres usarem a cor.

 

Quando a Clara nasceu, não quis furar as orelhas dela. Para mim, isso já era a primeira interferência desnecessária que eu poderia fazer no corpo da minha filha.  Por que continuamos marcando as meninas com dor e vaidade, enquanto os meninos ficam de boa? Será que não é o primeiro ato machista contra alguém que acabou de chegar nesse mundo já tão preconceituoso? Eu acho que sim.

 

A  Clarinha adora vestir as roupas largas do irmão. Odeia aqueles lacinhos e frufrus de menina, desde que era bebezinha. Eu não me importo nenhum pouco com isso. Eu também era assim. Não queria nada me apertando. Queria me sentir livre. Livre dessas amarras que nos prendem desde crianças.

 

Meninos e meninas são iguais. E precisam ser livres para fazer suas escolhas. É nisso que eu acredito e o que desejo para os meus filhos.

 

Eu e meu parceiro já temos planos de colocar o Rafa e a Clara para aprender artes marciais. Ah, e se depender de mim, eles vão juntos para o ballet também.

 

Outro dia, levamos os dois a um parque de diversões. A Clara adorou os carrinhos e cavalos do carrossel.  O Rafa amou um brinquedo com elefantinhos voadores. Correu para escolher o rosa.

 

Vai filho, voa para onde quiser.  E você também filha.  Que a vida seja colorida de rosa e azul e todas as cores do mundo para vocês.

 

E que vocês aprendam a lutar pelos seus direitos, mas também a respeitar as diferenças. Porque afinal, elas não existem.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Sabático de mãe

  • Instagram ícone social
  • b-facebook